"Deus ande em tua frente para te conduzir, atrás de ti para te proteger e ao teu lado para te acompanhar!"


Você é o visitante de nº

Paróquia Ressurreição do Senhor

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Bote fé, bote esperança, bote amor!

Por Élide Daiana - Coordenadora do Grupo Redescoberta/ Salvador

Viver a Jornada Mundial da Juventude foi como um sonho, tipo, como se uma noite eu deitasse e caísse em um sono profundo de vários dias. Nesse sonho eu me reunia com 13 velhos e grandes amigos para encontrar o Mensageiro do Senhor. O engraçado é que nesse sonho o local já havia sido definido, Rio de Janeiro, e a melhor das descobertas era que não estávamos sozinhos, haviam 3 milhões e meio de pessoas que desejavam e gritavam a mesma frase, se conduziam nos mesmos transportes, iam para os mesmos sentidos e posso dizer, se arrepiavam ao mesmo tempo. Que sonho! Tentei por diversas vezes me acordar desse sonho, mas não conseguia, algo era mais forte e me movia a trilhar cada etapa desse realidade. 

Não havia chuva, frio, cansaço, nada que me tirasse desse foco maior. Que a princípio imaginei que era ver o Papa, mas depois descobri algo muito maior, muito além de ver, pois os seus ensinamentos ultrapassavam a sua presença, e se eternizaram em minha realidade. Acordei do sonho ainda no primeiro dia e descobri que o Rio de Janeiro era o Templo de Deus, e que nada era capaz de destruir a alegria, a paz e o amor que pairava em suas ruas. Fui vendo a transformação das pessoas nas ruas de Copacabana, nas estações de metrô e nos ônibus. Não havia agressão, não existia desânimo, era o próprio Jesus refletindo no rosto de cada peregrino, e aquilo me preenchia de tal forma, que desejava essa realidade para minha vida eternamente. Ouvi palavras que não imaginava que tocariam tão profundamente a minha vida, como: Jovens nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança.

A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem, a não se acostumarem ao mal, mas a vencê-lo com o bem. A Igreja está ao lado de vocês, trazendo-lhes o bem precioso da fé, de Jesus Cristo, que veio «para que todos tenham vida, e vida em abundância» (Jo 10,10). O nosso Papa Francisco não se anulava de estar próximo, desejava está entre os seus, era capaz através do seu sorriso, seus gestos e palavras tocar profundamente uma multidão, converter e fazer com que todos refletissem suas vidas e pensassem, o que estou fazendo? Qual tem sido a minha obra? O mundo sempre diz que a mudança é utopia, e certamente paro de lutar por aquilo que vive em mim, porque a sociedade definiu que os meus sonhos são irreais. 

A cada palavra do querido Francisco eu sentia o vibrar da sua juventude, a qual faço parte e os seus pedidos eram sempre recheados de simplicidade, pureza e amor, difícil esquecer: Queridos jovens: se queremos que (A Vida) tenha realmente sentido e plenitude, como vocês mesmos desejam e merecem, digo a cada um e a cada uma de vocês: «bote fé» e a vida terá um sabor novo, terá uma bússola que indica a direção; «bote esperança» e todos os seus dias serão iluminados e o seu horizonte já não será escuro, mas luminoso; «bote amor» e a sua existência será como uma casa construída sobre a rocha, o seu caminho será alegre, porque encontrará muitos amigos que caminham com você. «Bote fé», «bote esperança», «bote amor»! Nesse momento peço a vocês que repitam comigo essas palavras, Bote fé, bote esperança, bote amor (Todos)! 

A nossa igreja somos cada um de nós, não existe uma igreja para cada família aqui presente, somos uma só família que habita lares distintos, mas que se rodarmos o mundo veremos que o Templo que habita nossos corações é único, e esse templo é guiado por nosso Pai do Céu, Jesus Cristo. Me recordo que durante a Via Sacra, o Papa Francisco indagou todo o seu povo perguntando se desejávamos ser como Pilatos que não teve a coragem de ir contra a corrente para salvar a vida de Jesus e lavou suas mãos. E depois afirmou que a cruz de Cristo nos ensina a ser como o Cirineu, que ajuda Jesus levar aquele madeiro pesado, como Maria e as outras mulheres, que não tiveram medo de acompanhar Jesus até o final, com amor, com ternura. E você como é? Como Pilatos, como o Cirineu ou como Maria? Como somos? Como queremos ser? O que estamos construindo para a nossa juventude, para as nossas comunidades, para a nossa família una, única e fiel? 

Desejamos viver cercados de medo, envolvidos em nossas redomas e deixar que um dia pensemos na violência, na injustiça social, nas drogas, nas impunidades, quando essas situações baterem a nossa porta? Ou vamos seguir os pedidos de Francisco e mudar a história da nossa sociedade. Francisco não teve medo de estar próximo a multidão e por diversas vezes disse não temer. Por que sou tão medrosa? Por que somos cristãos tão medrosos? Vamos sonhar, construir, realizar! A sociedade que desejamos para os nossos filhos e netos, é e precisa ser melhor. Que tal começarmos a construí-la? Me proponho a isso, e vou tentar, nem que seja só, ou quem sabe com os meus outros 13 amigos. Não vamos nos abater pelo desânimo, pela incredulidade, pelo pessimismo. Nós 14 temos o dever e a responsabilidade de mudar nem que seja 0,000000001% dessa história e a realidade perversa de nossa cidade. 

Não quero mais ficar parada no engarrafamento do meu comodismo, do meu egoísmo. E sei que cada um, da sua forma, também não deseja mais isso. “Jesus, tenho pedras, tenho espinhos, mas tenho esse cantinho de boa terra. Semeie aqui’. E em silêncio, permitem que Jesus plantem sua semente em boa terra. Lembrem-se desse momento. Cada um sabe o nome da semente que foi plantada agora. Deixem que frutifique. Deus vai cuidar dela”, disse Francisco. Desejo que através das minhas palavras, despertem em cada um de vocês o desejo do novo, de mudar as nossas ruas, de que a educação seja para todos, que possamos respeitar uns aos outros, e que o amor seja o poder transformador de cada coração que está aqui hoje nessa igreja Francisco pediu que joguemos sempre na linha de frente, no ataque, que sejamos protagonistas e que não fiquemos pra trás. 

Vamos lutar e buscar construir um mundo de paz, solidariedade e de amor. Para que possamos ser o campo da fé! Os atletas de Cristo! Os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor. Concluo as minhas palavras agradecendo aos meus 13 amigos que estiveram ao meu lado nessa Jornada, juntos podemos nos conhecer mais, aumentar o carinho, respeito e o amor uns pelos outros. Obrigada! Quero lembrar a vocês 13 que nós fomos os escolhidos e que a semente já está plantada e agora o que faremos? Que aquela alegria, aquela multidão e todas as experiências fiquem eternamente em nossas vidas, como disse a Rafaela... amiga agora posso dizer que tenho uma linda história para contar para os meus filhos e netos, e acredito amigos, que já começamos a contar antes mesmo de conceber esses futuros e lindos filhos. E ela disse, ainda teremos muitas outras histórias para contar amiga. E é verdade, pois juntos construiremos muitas e muitas outras. Como disse Francisco: “Levar o Evangelho é levar a força de Deus, para extirpar e destruir o mal e a violência; para devastar e derrubar as barreiras do egoísmo, da intolerância e do ódio; para construir um mundo novo. Jesus Cristo conta com vocês! A Igreja conta com vocês! O Papa conta com vocês! Que Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, lhes acompanhe sempre com a sua ternura: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações». Amém”. 

Hoje sou ainda mais feliz, porque não acordei do sonho, e entendi que tudo é realidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário